UE aprova sanções econômicas contra Venezuela e embargo de armas


 

Internacional - 13/11/2017 - 08:54:57

 

UE aprova sanções econômicas contra Venezuela e embargo de armas

 

Da Redação com Reuters

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 

União Europeia introduz embargo de armas contra Venezuela

União Europeia introduz embargo de armas contra Venezuela


Os ministros de Relações Exteriores da União Europeia aprovaram sanções econômicas contra a Venezuela, incluindo um embargo de armas, nesta segunda-feira (13), argumentando que as eleições regionais venezuelanas do mês passado aprofundaram a crise no país sul-americano.

Atentos para não levarem a Venezuela ainda mais perto do colapso econômico e político, governos da União Europeia evitaram nomear quaisquer indivíduos, deixando nomes para uma fase posterior na tentativa de persuadir o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, a acalmar a situação.

"Tudo que fazemos visa buscar um diálogo entre o governo e a oposição para encontrar uma solução democrática e pacífica", disse o chanceler espanhol, Alfonso Dastis, a repórteres em uma reunião com seus colegas na qual a decisão sobre as sanções foi tomada.

A Espanha vem pressionando há tempos por sanções a pessoas próximos a Maduro, a quem os Estados Unidos acusam de ter instaurado uma ditadura, mas a UE está dividida sobre quem punir.

Em um comunicado conjunto, os 28 chanceleres do bloco disseram que a base legal para proibições de viagens de indivíduos para a UE e o congelamento de bens no bloco "será usada de uma maneira gradual e flexível e pode ser ampliada".

No comunicado, os ministros disseram que as eleições regionais venezuelanas de 15 de outubro foram um divisor de águas que endureceu a posição do bloco e que ocorreram em meio a "relatos de várias irregularidades".

Os resultados pareceram favorecer o governista Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) de Maduro. Pesquisas indicavam que a oposição conquistaria uma maioria com facilidade, mas esta só conquistou alguns governos estaduais, de acordo com o Conselho Nacional Eleitoral pró-governo.

Os chanceleres da UE decidirão, em uma fase posterior, quem submeter a sanções, mas disseram que se concentrarão nas forças de segurança e em ministros e instituições de governo acusados de violar direitos humanos e de "desrespeito aos princípios democráticos ou ao Estado de Direito".

 



;

Links
Vídeo
Turismo SBC


Últimas Notícias




Chilenos escolhem hoje novo presidente


Inep libera conteúdo de videoprovas em libras do Enem 2017


Malcolm Young do AC/DC morre aos 64 anos


Polícia prende Ronan Maria Pinto, dono do Diário do Grande ABC


Luiz Marinho é denunciado por fraude à licitação com agravantes e falsificação de documentos


Raquel Dodge defende prisão após condenação em 2ª instância em parecer enviado ao STF