Nacional - 21/07/2012

 

Obrigatoriedade de disciplinas é criticada por especialistas

Obrigatoriedade de disciplinas é criticada por especialistas

 

Da Redação com agências

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 

As 40 mil mortes anuais nas vias brasileiras estão entre as justificativas para a aprovação do projeto.

As 40 mil mortes anuais nas vias brasileiras estão entre as justificativas para a aprovação do projeto.


Respeitando as Diretrizes Nacionais do Conselho Nacional de Educação e a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira, conhecida como LDB, as escolas têm autonomia para escolher de que maneira diferentes assuntos serão abordados, se serão disciplinas ou não. É o que afirma o pedagogo e ex-coordenador de educação do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Walter Garcia. Mesmo assim, muitos projetos de lei sugerindo disciplinas obrigatórias são propostos na Câmara do Deputados, como o Projeto de Lei 629/2011, de autoria do deputado Onofre Santo Agostini DEM/SC, que prevê a criação das disciplinas educação ambiental e educação no trânsito.

As 40 mil mortes anuais nas vias brasileiras estão entre as justificativas para a aprovação do projeto. Para o deputado, apesar de se falar muito nesses temas atualmente, pouco é feito na prática. Apresentado na Câmara de Deputados desde março de 2011, se aprovado na Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania (CCJC), o projeto de lei vai para a votação na Câmara.

Para o vice-presidente do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado de São Paulo, José Augusto de Mattos Lourenço, a criação de disciplinas obrigatórias tira a liberdade das escolas, prevista na LDB. "Se forem aprovados todos os projetos de lei com esse objetivo, não teremos mais horários nem dias para todas as disciplinas", afirma. Tanto a educação no trânsito quanto a educação ambiental são tratadas dentro de outras disciplinas, através de redações nas aulas de português ou de debates em aulas de história e de geografia, afirma Lourenço.

Contudo, as iniciativas para a educação no trânsito realizadas de forma objetiva e satisfatória são exceções, na opinião da presidente da Fundação Thiago de Moraes Gonzaga, Diza Gonzaga. A Fundação desenvolve o projeto Vida Urgente, que realiza atividades visando à humanização do trânsito. Diza acredita que o ensino não deve ser focado nos motoristas e pedestres, mas na vida, ensinando as crianças a brincar em local seguro, a dar a mão para adultos antes de atravessar a rua, entre outras atitudes relacionadas com a idade. Para ela, a criação de uma disciplina não pode ser uma mera formalidade, mas deve ser trabalhada levando-se em conta a realidade de cada aluno e escola. "A minha preocupação é que não seja uma disciplina que fale simplesmente de sinais de trânsito. Isso é informação, não educação", opina.

Informática e educação para a saúde foram propostas e arquivadas
Há uma diferença entre disciplina e conteúdo obrigatórios. O termo disciplina se refere a um campo do conhecimento que será tratado na escola com carga horária própria e com professor habilitado para trabalhar em uma área específica. Já conteúdo obrigatório é um assunto que pode ser tratado dentro de uma disciplina, escolhida pela escola.

A educadora e conselheira da Câmara de Educação Básica do Conselho Estadual de Educação de São Paulo, Guiomar Namo de Mello, explica que a LDB não fala em disciplinas obrigatórias e sim em temas que o aluno deve aprender. "Não tem artigo na lei que diga que o português é obrigatório, diz que é preciso dominar a língua portuguesa, o que não é a mesma coisa. Isso pode ser feito através da literatura, por exemplo", explica. Para ela, a criação de novas disciplinas obrigatórias é uma forma de reserva de mercado para os profissionais.

O primeiro passo para se criar uma disciplina é um deputado apresentar um projeto de lei pedindo alteração na LDB. Foi o caminho percorrido para a criação das disciplinas de Filosofia e Sociologia, hoje obrigatórias em todos os anos do Ensino Médio. O deputado Ribamar Alves PSB/MA acredita que tais disciplinas podem tornar os alunos mais questionadores, por isso apresentou o projeto de lei em 2003, que foi aprovado na Câmara, no Senado e, depois, sancionado pelo então vice-presidente, José Alencar, que exercia a função de presidente da República, tornando-se lei cinco anos depois.

Diversas disciplinas e conteúdos são propostos mais de uma vez por diferentes deputados e com pequenas modificações. Projetos que propuseram moral e cívica, informática, educação para a saúde, noções básicas de política e cidadania como disciplinas obrigatórias foram arquivados.

Para Guiomar, os conteúdos são organizados nas escolas por tradição. Temas transversais, como educação sexual, são abordados em diversas disciplinas. Na visão de Garcia, é importante respeitar as diversidades locais e regionais no ambiente educacional. "Vejo uma intervenção federal descabida em assuntos de educação básica que deveriam ficar a cargo dos estados e municípios", critica.

(Com informações de Cartola - Agência de Conteúdo)

;

Links
.
.
Vídeo


Últimas Notícias




Homem é detido em São Bernardo durante a passagem da Tocha Olímpica


São Bernardo do Campo é a nova sede da Confederação Brasileira de Handebol


Corinthians empata com o Figueirense em Itaquera


Justiça Federal mantém ação que questiona convênio do Mais Médicos com Cuba


Tocha Olímpica percorre 12,8km em São Bernardo do Campo neste sábado (23)


Rede Sustentabilidade de Santo André declara apoio a Paulinho Serra