-->


 

Nacional - 28/11/2003 - 21:26:46

 

Ação social reduz a fome no Brasil

 

Da Redação com agências

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 

Fome voltou a crescer no planeta, mas o País está na seleta lista das nações que conseguiram diminuir o problema. Estudo aponta resultados obtidos no Governo FHC

Fome voltou a crescer no planeta, mas o País está na seleta lista das nações que conseguiram diminuir o problema. Estudo aponta resultados obtidos no Governo FHC


Depois de ter recuado na primeira metade dos anos 90, a fome voltou a crescer no planeta: a cada ano, aumenta em 5 milhões o número de pessoas que comem muito aquém do mínimo necessário, ampliando a legião de famintos que já chega a 850 milhões. Na pequena lista de 18 países onde o problema vem diminuindo, o Brasil é novidade – mas o Governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o programa Fome Zero nada têm a ver com a retração, pois a comparação é feita entre o início dos anos 90 e o fim da gestão do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Os dados estão no relatório anual da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), divulgado ontem. O documento, Estado da Insegurança Alimentar no Mundo – 2003, adverte que as campanhas internacionais para alimentar as populações pobres vêm fracassando nos últimos anos e são cada vez mais remotas as chances de atingir, em 2015, a meta da ONU de reduzir pela metade o total de subnutridos no mundo. O estudo relata programas bem-sucedidos em quatro países: Brasil, Panamá, Quênia e Vietnã. E conclama todas as nações a adotar e apoiar o Programa Mundial contra a Fome, recentemente proposto pela FAO. Nesse trecho, o relatório informa que o Brasil conseguiu reduzir de 12% para 9% o universo de famintos, entre os períodos de 1990 a 1992 e 1999 a 2001. Em números absolutos, de 18,6 milhões para 15,6 milhões – redução ocorrida no segundo Governo FHC, quando a rede de proteção social levava adiante programas sociais, como Bolsa-Escola, Comunidade Solidária, e de vacinação e assistência à saúde, responsáveis pela redução da mortalidade infantil e pelo aumento do número de crianças em escolas. Embora anunciado bem depois do estudo, o Fome Zero é citado também como um dos sinais encorajadores na luta contra a subnutrição no mundo. O relatório traz análise detalhada, por região e países, onde se percebe que o problema é localizado. O norte da África, a região ao sul do Saara e o Oriente Médio são os pontos onde a situação piorou e muito. Na outra ponta, Ásia, América Latina e Caribe tiveram progressos elogiáveis, puxados pela China, que conseguiu a façanha de tirar 74 milhões de pessoas da fome entre 1995 e 2000. O pior índice é do Congo, que atravessou os últimos oito anos mergulhado em guerra e desordem civil e viu seu número de subnutridos chegar a 36,7 milhões de pessoas. Nigéria e Gana apresentaram retrocessos consideráveis. Entre os bem-sucedidos, além da China, há índices animadores no Vietnã, na Tailândia, no Haiti e em Moçambique.;

Fome voltou a crescer no planeta, mas o País está na seleta lista das nações que conseguiram diminuir o problema. Estudo aponta resultados obtidos no Governo FHC

Fome voltou a crescer no planeta, mas o País está na seleta lista das nações que conseguiram diminuir o problema. Estudo aponta resultados obtidos no Governo FHC

Fome voltou a crescer no planeta, mas o País está na seleta lista das nações que conseguiram diminuir o problema. Estudo aponta resultados obtidos no Governo FHC

Fome voltou a crescer no planeta, mas o País está na seleta lista das nações que conseguiram diminuir o problema. Estudo aponta resultados obtidos no Governo FHC

Links
.
.
Vídeo


Últimas Notícias



Prefeitura de São Bernardo promove 1ª Feira de emprego para jovens de 16 a 22 anos


Rússia é banida por doping e está fora de Tóquio 2020 e de Mundiais


Receita abre consulta ao 7º lote de restituição do Imposto de Renda


Bumba Meu Boi pode se tornar patrimônio imaterial da humanidade


Bolsonaro pede revogação de medida que excluiu atividades de MEI


STF aprova compartilhamento total de dados financeiros da Receita Federal com o MP sem autorização judicial