-->


 

Nacional - 28/11/2003 - 21:21:35

 

Lula é contra a maioridade penal

 

Da Redação com agências

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 


residente não explicou os motivos da sua posição, mas disse concordar com a afirmativa de que o assunto não deve ser tratado no calor de acontecimentos que abalaram a opinião pública, como havia expressado a CNBB O presidente Luiz Inácio Lula da Silva manifestou-se ontem contrário à redução da maioridade penal em encontro com dirigentes da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Lula não especificou os motivos de sua posição, mas segundo o presidente da organização religiosa, dom Geraldo Majella, ele concordou com a ressalva de que “o assunto não deve ser tratado no calor de acontecimentos que abalaram a opinião pública”. O cardeal primaz do Brasil se referia ao assassinato dos namorados Liana Friedenbach, 16 anos, e Felipe Caffé, 19, sob a liderança de um adolescente de 16 anos, em Embu-Guaçu (SP). “O presidente achou pertinente nossa posição contra a redução da maioridade”, informou, após o encontro de 45 minutos. Dom Geraldo Majella disse que o Ministério da Justiça está encaminhando o assunto da forma desejada pelo presidente e pela própria CNBB. O encontro no Planalto ocorreu após a entrevista coletiva em que dom Geraldo anunciou a decisão da CNBB de atuar no Congresso para impedir a aprovação de emenda constitucional reduzindo a maioridade penal. Segundo ele, a posição dos bispos, totalmente contrária à medida, foi aprovada há dois anos na Assembléia dos Bispos em Itaici (SP). O religioso concorda com a necessidade de alterar o Estatuto da Criança e do Adolescente, a fim de diferenciar crimes graves de pequenas infrações cometida por menores. Mas defende que se leve em conta a idade do acusado. Dom Geraldo não especificou como será feito o trabalho de convencimento dos parlamentares. A CNBB argumenta que não se deve tratar de um tema dessa amplitude sob pressão de fatos que chocaram a sociedade. “Os menores não devem ser tratados como adultos e, como tal, sujeitarem-se a um esquema penitenciário que não leva em conta e reeducação do condenado. Misturar menores com adultos que têm experiência no crime só vai agravar sua situação. Temos de evitar que, no calor da discussão, só se pense no castigo e não nas causas da insegurança”, considerou. PLEBISCITO – Ao encontrar-se ontem com o ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, o pai de Liana, o advogado Ari Friedenbach voltou a defender a realização de um plebiscito para consultar a população sobre a redução da maioridade penal. Ele aproveitou sua passagem por Brasília para fazer campanha pela redução entre parlamentares. Atualmente, tramitam na Câmara e no Senado cerca de 70 propostas para redução da maioridade penal. Para dom Geraldo Majella, o número elevado mostra o interesse dos parlamentares em atender a seus eleitores e reforça sua posição de descartar um eventual plebiscito para ouvir a população. Ele acredita que essa consulta popular aprovaria a redução, como reflexo da onda de calor e de revolta da sociedade contra a violência praticada por menores. ;

Links
.
.
Vídeo


Últimas Notícias



Prefeitura de São Bernardo promove 1ª Feira de emprego para jovens de 16 a 22 anos


Rússia é banida por doping e está fora de Tóquio 2020 e de Mundiais


Receita abre consulta ao 7º lote de restituição do Imposto de Renda


Bumba Meu Boi pode se tornar patrimônio imaterial da humanidade


Bolsonaro pede revogação de medida que excluiu atividades de MEI


STF aprova compartilhamento total de dados financeiros da Receita Federal com o MP sem autorização judicial