-->


 

Nacional - 28/11/2003 - 21:21:35

 

Lula é contra a maioridade penal

 

Da Redação com agências

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 


residente não explicou os motivos da sua posição, mas disse concordar com a afirmativa de que o assunto não deve ser tratado no calor de acontecimentos que abalaram a opinião pública, como havia expressado a CNBB O presidente Luiz Inácio Lula da Silva manifestou-se ontem contrário à redução da maioridade penal em encontro com dirigentes da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Lula não especificou os motivos de sua posição, mas segundo o presidente da organização religiosa, dom Geraldo Majella, ele concordou com a ressalva de que “o assunto não deve ser tratado no calor de acontecimentos que abalaram a opinião pública”. O cardeal primaz do Brasil se referia ao assassinato dos namorados Liana Friedenbach, 16 anos, e Felipe Caffé, 19, sob a liderança de um adolescente de 16 anos, em Embu-Guaçu (SP). “O presidente achou pertinente nossa posição contra a redução da maioridade”, informou, após o encontro de 45 minutos. Dom Geraldo Majella disse que o Ministério da Justiça está encaminhando o assunto da forma desejada pelo presidente e pela própria CNBB. O encontro no Planalto ocorreu após a entrevista coletiva em que dom Geraldo anunciou a decisão da CNBB de atuar no Congresso para impedir a aprovação de emenda constitucional reduzindo a maioridade penal. Segundo ele, a posição dos bispos, totalmente contrária à medida, foi aprovada há dois anos na Assembléia dos Bispos em Itaici (SP). O religioso concorda com a necessidade de alterar o Estatuto da Criança e do Adolescente, a fim de diferenciar crimes graves de pequenas infrações cometida por menores. Mas defende que se leve em conta a idade do acusado. Dom Geraldo não especificou como será feito o trabalho de convencimento dos parlamentares. A CNBB argumenta que não se deve tratar de um tema dessa amplitude sob pressão de fatos que chocaram a sociedade. “Os menores não devem ser tratados como adultos e, como tal, sujeitarem-se a um esquema penitenciário que não leva em conta e reeducação do condenado. Misturar menores com adultos que têm experiência no crime só vai agravar sua situação. Temos de evitar que, no calor da discussão, só se pense no castigo e não nas causas da insegurança”, considerou. PLEBISCITO – Ao encontrar-se ontem com o ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, o pai de Liana, o advogado Ari Friedenbach voltou a defender a realização de um plebiscito para consultar a população sobre a redução da maioridade penal. Ele aproveitou sua passagem por Brasília para fazer campanha pela redução entre parlamentares. Atualmente, tramitam na Câmara e no Senado cerca de 70 propostas para redução da maioridade penal. Para dom Geraldo Majella, o número elevado mostra o interesse dos parlamentares em atender a seus eleitores e reforça sua posição de descartar um eventual plebiscito para ouvir a população. Ele acredita que essa consulta popular aprovaria a redução, como reflexo da onda de calor e de revolta da sociedade contra a violência praticada por menores. ;

Links
.
.
Vídeo


Últimas Notícias



Milton Ribeiro é nomeado o novo ministro da Educação


Presidente Bolsonaro é diagnosticado com coronavírus


Sete em cada 10 brasileiros acreditam que mudanças climáticas são um problema tão sério quanto a Covid-19, mostra Ipsos


Íntegra do depoimento de Sérgio Moro na Polícia Federal


Com Cartão Merenda Escolar, São Bernardo vai oferecer auxílio-alimentação a 82 mil alunos


Autônomo pode baixar aplicativo a partir de hoje para renda de R$ 600