-->


 

Opinião - 11/01/2018 - 08:49:58

 

Violência na escola

 

José Renato Nalini * .

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 

José Renato Nalini, secretário da Educação do Estado de São Paulo e docente da Uninove

José Renato Nalini, secretário da Educação do Estado de São Paulo e docente da Uninove


Ninguém fica feliz quando assiste a uma cena de violência. Menos ainda, quando ela ocorre na escola. A escola tem uma simbologia evidente. É o lugar destinado a preparar a criança e o jovem para um convívio harmônico. Sem coesão social não existe sociedade civilizada. O treino para a difícil arte de partilhar interesses, sentimentos e sonhos se faz em casa, mas também na escola.

 Parece ter recrudescido nos últimos tempos o fenômeno lamentável de agressões, entreveros físicos, ofensas verbais e vandalismo praticado dentro de uma unidade predestinada a promover a paz. Nada justifica essas ocorrências, às vezes com envolvimento de adultos que tomam partido. Nem sempre o partido correto, pois há quem procure defender o indefensável.

 A Rede Pública da Educação Paulista é complexa e gigantesca. Mais de 5.400 escolas, cerca de 4 milhões de alunos, 400 mil pessoas a depender de sua folha de pagamento, em ano de crise interminável.

Nada obstante, há estratégias de promoção do entendimento. Acredito muito no Programa "Escola da Família", com estímulo à participação de pais e comunidade na vida escolar. Sábados, domingos e feriados recebem aqueles que quiserem participar de atividades lúdicas e comunitárias, para mostrar que a escola é do povo. Foi construída com dinheiro do povo, funciona custeada pelo povo e se tiver de receber reforma para reparos que não sejam os decorrentes do desgaste natural, será dinheiro do povo mal empregado. Desperdiçado, porque poderia se destinar a outros intuitos. Principalmente quando se cuida de educação, para cuja consecução todo orçamento é pouco.

Também a instituição do Professor Mediador é algo louvável. Precisa ser incentivada e intensificada. Vicissitudes impediram que houvesse incremento, mas a causa é nobre e merecerá a devida atenção assim que houver possibilidade de retomada com novo ritmo.

Não se pode descartar a atuação da Polícia Militar, sempre amiga da escola e da criança. O Brasil precisa despertar para o respeito que a polícia merece. Quem não gosta de polícia é bandido, não gente honesta. Esta deve enxergar no policial um amigo, um protetor, um fator de segurança indispensável em eras de ressentimento, a se converter em ira e em violência gratuita.

Louve-se também um acervo de iniciativas conducentes à edificação de um clima de harmonia e paz. ONGs como "Um milhão de amigos", da Professora Eliete, o Projeto de Lei 336, de 2017, do Deputado Marcos Damásio, que institui a Campanha "Aluno Consciente", as palestras de pessoas gradas que vão levar o único recado coerente nestes tempos difíceis: conviver é preciso e o convívio com o respeito à diversidade, às diferenças e a outras características ínsitas ao ser humano, é a alternativa à vitória do caos. Ninguém quer uma sociedade fraturada e dividida, mas um Brasil coeso e forte, rumo à reconstrução de seu destino de glórias.

* José Renato Nalini, secretário da Educação do Estado de São Paulo e docente da Uninove

 



;

Links
Vídeo


Últimas Notícias



Prefeitura de São Bernardo promove 1ª Feira de emprego para jovens de 16 a 22 anos


Rússia é banida por doping e está fora de Tóquio 2020 e de Mundiais


Receita abre consulta ao 7º lote de restituição do Imposto de Renda


Bumba Meu Boi pode se tornar patrimônio imaterial da humanidade


Bolsonaro pede revogação de medida que excluiu atividades de MEI


STF aprova compartilhamento total de dados financeiros da Receita Federal com o MP sem autorização judicial