-->


 

Politica - 10/11/2005 - 08:08:19

 

Receita acha nota fria de R$ 6 mi da DNA à Visanet

 

Da Redação com agências

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 


O relator da CPI Mista dos Correios, deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR), recebeu um relatório da Receita Federal que confirma a existência de notas fiscais da agência de publicidade DNA que não foram contabilizadas, uma delas em nome da Visanet, no valor aproximado de R$ 6 milhões. O Banco do Brasil tem 33% das ações da Visanet. A DNA tem como sócio o empresário Marcos Valério Fernandes de Souza, apontado como operador do suposto "mensalão". Das 27 notas, 11 não estão registradas, sendo que 10 são da Amazônia Celular e uma da Visanet, informou a Agência Câmara. Segundo o relator, foi solicitado que as duas empresas apresentassem relação das notas fiscais emitidas pela DNA e nenhuma das 11 notas constam dessas listas. O relator explicou que 27 notas foram examinadas pela Receita, escolhidas por amostragem entre aquelas que foram apreendidas pela polícia na região metropolitana de Belo Horizonte, em julho deste ano. Os documentos apreendidos estavam em tonéis para serem queimados. Registro Serraglio explicou que as notas foram emitidas pela filial da DNA em Rio Acima (MG), onde estão registradas. O relator afirmou ainda que não existem documentos contábeis da DNA referentes aos anos de 1998 a 2002. Segundo ele, o livro da empresa foi registrado em 16 de setembro deste ano. Para o deputado, há um forte indício de que a empresa recebe dinheiro por trabalhos não prestados e apresenta notas frias. ;

Links
.
.
Vídeo


Últimas Notícias



Prefeitura de São Bernardo promove 1ª Feira de emprego para jovens de 16 a 22 anos


Rússia é banida por doping e está fora de Tóquio 2020 e de Mundiais


Receita abre consulta ao 7º lote de restituição do Imposto de Renda


Bumba Meu Boi pode se tornar patrimônio imaterial da humanidade


Bolsonaro pede revogação de medida que excluiu atividades de MEI


STF aprova compartilhamento total de dados financeiros da Receita Federal com o MP sem autorização judicial