Caminho da propina para o PT, em São Bernardo, passava por Testas de Ferro, diz revista “Isto É”


 

ABCD - 20/06/2018 - 06:16:40

 

Caminho da propina para o PT, em São Bernardo, passava por Testas de Ferro, diz revista “Isto É”

 

Da Redação .

Foto(s): Reprodução site / deputado Luiz Fernando / Ana do Carmo

 

Ex-prefeito Luiz Marinho e o atual deputado estadual Luiz Fernando, ambos do PT

Ex-prefeito Luiz Marinho e o atual deputado estadual Luiz Fernando, ambos do PT


A OAS, envolvida na Operação Lava Jato, durante a gestão do petista Luiz Marinho como prefeito de São Bernardo (2009 a 2016), obteve alto faturamento sangrando os cofres da prefeitura. Em apenas oito anos, a OAS obteve grandes vantagens, como aponta deleção, na administração petista do protegido e preferido do ex-presidente Lula, hoje preso na PF de Curitiba. Uma grande triangulação se vislumbra neste reforçado esquema de corrupção por meio de um conluio entre o presidente da empreiteira, Léo Pinheiro, o então prefeito Luiz Marinho, hoje pré-candidato a governador de São Paulo pelo PT, e o ex-presidente Lula.

A OAS foi contratada com generosos recursos do governo federal, sob a gestão petista, com provável direcionamento em licitações de forma fraudulenta, conforme delação de Léo Pinheiro. Fica mais clara a situação sobretudo a partir de 2012, sob orientação direta e explícita de Lula.

Léo Pinheiro disse que Lula recomendou que fosse procurado o então prefeito do PT para que fossem dirigidas as obras à OAS. Com isso, a OAS faturou cerca de R$ 1 bilhão, mas, entretanto, nenhuma das obras foi concluída uma vez que a OAS quase faliu com a Lava Jato em 2014 levando Léo Pinheiro, para a cadeia em 2015, deixando uma cidade esburacada e abandonada.

Na delação premiada de Léo Pinheiro ao MPF, o possível esquema de corrupção envolvendo Lula, OAS e Luiz Marinho começou a ser revelado. Léo Pinheiro disse aos procuradores que a OAS aliada à Serveng venceu de forma manipulada a licitação do chamado “Centro Seco”, que previa a construção de um piscinão para armazenar 220 milhões de litros de água das chuvas, tudo sob a batuta de Lula com o aval de Marinho.
R$ 3 bi foi o total de recursos do Governo Federal, durante as gestões de Lula e Dilma, colocados na prefeitura de São Bernardo do Campo (de 2009 a 2016), todos do PT.

O contrato do “Centro Seco” foi fechado com a OAS por R$ 296 milhões. Só um túnel de canalização de água, com 1 km de extensão e diâmetro equivalente ao de uma obra de metrô, custou R$ 100 milhões.

No ano eleitoral de 2014, Marinho assinou dois aditivos que favoreceram a OAS, aumentando o custo da obra para R$ 353 milhões. Os recursos vieram do Ministério das Cidades, durante o governo Dilma. A administração atual estimou um superfaturamento da ordem de R$ 60 milhões. A obra, em 2015, auge da Lava Jato, parou.

A mesma forma de ação promovida no caso do piscinão do Paço Municipal se reproduziu em outras obras na cidade. A OAS foi beneficiada também: em janeiro de 2012 para recuperar o Ribeirão dos Couros, orçado em R$ 173,2 milhões; a duplicação da avenida Lauro Gomes, onde a OAS embolsou R$ 59,6 milhões em 2014 e deixou as obras paradas; contrato de R$ 258 milhões, assinado em julho de 2014, para a construção do corredor Leste-Oeste que, mesmo, parada recebeu aditivos em mais R$ 33,8 milhões.

Mas fica a pergunta, se Luiz Marinho, PT, nunca declarou grande patrimônio, como rastrear os desvios?   

De acordo com publicação da revista Isto É eram utilizados Testas de Ferro:

"Fontes ouvidas por ISTOÉ no ABC dizem que Marinho usa testas de ferro para receber valores por ele. Um deles seria Luiz Fernando Teixeira Ferreira, deputado estadual pelo PT e irmão do deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP). Luiz Fernando chegou a ter escritório em São Bernardo durante a gestão Marinho, onde fazia acertos em nome do prefeito. Segundo a delação de Alexandrino de Alencar, ex-diretor da Odebrecht, foi ele quem recebeu as propinas destinadas a Marinho, no valor de R$ 550 mil, usados na campanha de 2012. Já Luiz Antonio Bueno Jr, outro ex-diretor da Odebrecht Infraestrutura, disse em sua delação que deu R$ 300 mil, via caixa 2, para o deputado Teixeira Ferreira usar na campanha de 2014, dinheiro que ele recebeu com o codinome de “Lamborguiny” e por meio da senha “empada”. Outro testa de ferro de Marinho seria o advogado Edson Asarias, investigado por desvios de dinheiro do Museu do Lula. No final de 2016, a PF apreendeu na casa de um ex-secretário de Marinho, preso na “Operação Hefesta”, uma contabilidade paralela do museu. Nela, um total de R$ 1,5 milhão figurava como quantia destinada para o advogado. Nas planilhas, aparecia o ítem “caixa – azarias – museu- Saab”, em alusão à empresa responsável por tocar o projeto do avião de caça sueco Gripen, para o qual Marinho fez lobby pesado – apenas mais uma do arsenal de tramóias do candidato de Lula. Um dia explode". (Reprodução Isto É nº2529 de 08/06/2018)

 



;

Links
Vídeo


Últimas Notícias



MPF questiona programa Mais Médicos e manobra entre Dilma e governo cubano vêm à tona


Novo edital do Mais Médicos é publicado no Diário Oficial


OTrim está ativo no seu SSD do Windows 10?


Médicos formados no exterior tentam validar diploma no Brasil


Exposição em São Paulo reúne fotografias de cenas da região da Luz


Gleisi Hoffmann, em "ato falho", entrega quem é proprietário do sítio de Atibaia