-->


 

ABCD - 13/12/2016 - 08:22:13

 

Secretários de Obras e Cultura de S.Bernardo tiveram prisão temporária decretada na Operação Hefesta

 

Da Redação com agências

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 

Alfredo Buso, secretário de Obras (esquerda), Osvaldo de Oliveira Neto, secretário de Cultura (direita)

Alfredo Buso, secretário de Obras (esquerda), Osvaldo de Oliveira Neto, secretário de Cultura (direita)


Dos oito mandados de prisão temporária em cumprimento desde a manhã desta quinta-feira, 13, pela operação Hefesta, três são contra integrantes do primeiro escalão do governo municipal de São Bernardo do Campo, comandada por Luiz Marinho (PT). Alfredo Buso, secretário de Obras, Osvaldo de Oliveira Neto, secretário de Cultura, e Sérgio Buster, subsecretário de Obras, tiveram as prisões temporárias decretadas pela 3ª Vara Federal de São Bernardo do Campo.

Também foram expedidos mandados contra cinco empresários que teriam participado do esquema.

Também estão sendo cumpridos 8 mandados de condução coercitiva (quando a pessoa é levada a depor pela PF) e de 8 mandados de busca e apreensão.

O cumprimento dos mandados ocorre em 9 cidades brasileiras, simultaneamente: São Paulo, São Bernardo do Campo, Brasília, Santana do Parnaíba, Santos, São Vicente, Rio de Janeiro, Barueri e Brasília.

O inquérito foi instaurado pela PF a partir de informações divulgadas pela imprensa em novembro de 2014, indicando atraso e possíveis fraudes na construção daquele museu.O nome Hefesta remete ao deus grego Hefesto, do trabalho e da metalurgia.

 



;

Links
Vídeo


Últimas Notícias



Alex Manente não vota a favor dos principais destaques da previdência: policiais, mulheres e professores, dentre outros


Câmara aprova regras especiais de aposentadoria de policiais da União


Câmara aprova mudanças em regras de pensão e para mulheres


Câmara conclui discussão e deve votar reforma da Previdência nesta quarta


Lula, Palocci e Paulo Bernardo viram réus por promessa de corrupção


Após Alex Manente colaborar com derrota de Sérgio Moro, Senado mantém decisão sobre o Coaf