-->


 

Opinião - 18/01/2018 - 09:27:18

 

Revolução Digital em São Paulo

 

José Renato Nalini * .

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 

José Renato Nalini, secretário da Educação do Estado de São Paulo e docente da Uninove

José Renato Nalini, secretário da Educação do Estado de São Paulo e docente da Uninove


A migração do papel para o digital na Rede Pública Estadual de Educação Paulista se tornará realidade no ano letivo de 2018. A iniciativa é praticamente uma revolução que São Paulo inicia e que terá profundas repercussões na formação das novas gerações.

No dia 8 de dezembro de 2017, na Escola Estadual Dr.Alberto Cardoso de Mello Neto, no Jardim Leonor Mendes de Barros, capital, lançou-se o projeto-piloto do Governo do Estado em parceria com Microsoft e Digital Pages, para levar o livro digital de Matemática para 82 mil estudantes paulistas.

É um passo importante, após a liberação do uso do mobile em sala de aula, quando para fins pedagógicos. Mas a tecnologia da educação não pode parar. Deu-se passo importante e irreversível de migração do papel, o gradual abandono do material físico para o digital em sala de aula. O caderno do aluno, material pedagógico de uso do alunado em sala de aula, terá um aplicativo em Matemática, a permitir sedutora interação. Inicia-se pela Matemática, a disciplina em que o Brasil oferece maior deficiência quando cotejado com os Países na dianteira na avaliação PISA. E é disciplina essencial para o desenvolvimento das ciências exatas, fundamento da pesquisa que precisa ser recuperada como fomento ao verdadeiro progresso de um País que tem urgência na retomada de seu crescimento.

O projeto piloto se desenvolverá em 39 escolas da Diretoria de Ensino Norte 2, da capital. Os alunos do primeiro ano do Ensino Médio serão beneficiados com a iniciativa e manterão o reforço do papel, pois o êxito do piloto depende do efetivo aproveitamento de parte do alunado. Verificado o sucesso da implementação, espera-se expandir o projeto por todo o Estado de São Paulo.

Importante salientar que a iniciativa funciona tanto como app em smartphones quanto na web e, após baixado, o aplicativo não precisa de acesso à internet para ser utilizado. É perfeitamente possível o seu uso offline. Além do conteúdo do livro, os alunos poderão responder digitalmente, interagir com os docentes. Além do acesso a vídeos, áudios, animações, simulações de objetos 3D e games. O programa ainda disponibiliza ferramentas de anotação, mensagens, fóruns, busca por termo ou por conteúdo.

O professor poderá acompanhar o desempenho das turmas e terá informações como: quanto tempo o aluno permaneceu em uma página, quais os conteúdos percorridos, as respostas que forneceu em cada exercício proposto. Para isso, os docentes terão capacitação e treinamento na EFAP a Escola de Formação e Aperfeiçoamento de Professores da Secretaria da Educação, em parceria com a Digital Pages.

O conteúdo do livro digital, bem como todas as informações sobre as atividades desenvolvidas pelos alunos, ficará armazenado na plataforma de nuvem da Microsoft, a Azure. O projeto amplia outras ações já anunciadas pela Secretaria da Educação. Expansão da rede de banda larga para todas as mais de 5 mil escolas estaduais, implantação de wi-fi até outubro de 2018, inicialmente nos laboratórios de informática e salas de professores, com expansão posterior para as salas de aula.

Ainda está no plano da SEE a aquisição de kits de notebooks para 400 escolas, com 40 aparelhos em cada escola, totalizando 16 mil equipamentos e efetivo aproveitamento da liberação pedagógica do uso de mobiles dentro da classe.

São Paulo foi Estado pioneiro na adoção de currículo escolar, vigendo desde 2009. Definiu o que cada estudante deve aprender em cada etapa do seu aprendizado e, desde então, os alunos contam com material exclusivo e atualizado desenvolvido por especialistas da Educação. Caderno do aluno, que complementa os livros didáticos e se divide entre Ciências Humanas, Linguagens e Códigos, Ciências da Natureza e Matemática.

Tudo em perfeita sintonia com o Caderno do Professor, já totalmente digitalizado pela Secretaria. Isso auxilia o docente no preparo das aulas de matemática, língua portuguesa, história, filosofia, química, física, biologia, sociologia, inglês, geografia e educação física.

É o futuro convertido em presente na educação pública de São Paulo, cujo patrimônio maior é a comunidade que presta serviços com devotamento e o carinho com que ensina quatro milhões de crianças e jovens paulistas.

José Renato Nalini, secretário da Educação do Estado de São Paulo e docente da Uninove

 



;

Links
Vídeo


Últimas Notícias



Prefeitura de São Bernardo promove 1ª Feira de emprego para jovens de 16 a 22 anos


Rússia é banida por doping e está fora de Tóquio 2020 e de Mundiais


Receita abre consulta ao 7º lote de restituição do Imposto de Renda


Bumba Meu Boi pode se tornar patrimônio imaterial da humanidade


Bolsonaro pede revogação de medida que excluiu atividades de MEI


STF aprova compartilhamento total de dados financeiros da Receita Federal com o MP sem autorização judicial