Informática - 27/07/2012

 

Marco Civil deve ser votado em 8 de agosto

Marco Civil deve ser votado em 8 de agosto

 

Da Redação com agências

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 

Mesa contou com representantes da sociedade civil, do Legislativo e academia

Mesa contou com representantes da sociedade civil, do Legislativo e academia


Foi no Fórum Internacional Software Livre (fisl) de 2009 que a discussão do Marco Civil da Internet começou a ganhar forma no governo federal. A afirmação foi feita nesta sexta-feira pelo ativista do software livre Marcelo Branco durante debate sobre o projeto, que deve ser votado em 8 de agosto, na 13ª edição do evento, em Porto Alegre. "Foi em uma conversa de ativistas com Lula e a então ministra Dilma Rousseff que os rumos começaram a mudar", afirmou Branco.

Segundo ele, a discussão surgiu após a aprovação do projeto de lei do então senador Eduardo Azeredo (PSDB) que tipifica crimes na internet e havia sido aprovado em um acordo político no Congresso. Segundo Branco, ativistas pediram a Lula durante o fisl uma regulamentação civil na internet. "O primeiro marco regulatório da internet seria um código penal mal feito", disse, referindo-se à lei Azeredo, chamada pelos opositores de "AI-5 Digital".

Para Branco, o texto do Marco Civil, que teve o deputado Alessandro Molon (PT-RJ) como relator, foi o aperfeiçoamento de uma lei elaborada pela sociedade civil. "Foi talvez a primeira iniciativa de governo aberto do País, com o uso de ferramentas da internet para legislar", afirmou o ativista.

Marco Civil em debate
O debate sobre o projeto do Marco Civil da Internet no fisl deste ano contou com a participação de diversos representantes da sociedade civil, do Legislativo e da Academia. O projeto deve ser votado em 8 de agosto na comissão especial criada para discutir o projeto. Para o professor do Centro de Tecnologia e Sociedade da Fundação Getúlio Vargas, Bruno Magrani, o projeto coloca o Brasil em destaque na defesa da liberdade na internet. "O Brasil vai se juintar a um grupo seleto de países que protege a neutralidade na rede", avaliou.

Para o professor da Universidade Federal do ABC, Ségio Amadeu, no entanto, o projeto do Marco Civil enaltece a guarda de logs, que são os registros do que os usuários fazem na internet. "O Marco Civil tem um problema grave, porque enaltece a guarda de logs, e não se preocupa em proteger nosso rastro digital, que poderá ser usado pela indústria do copyright para intimidar o usuário", afirmou.

Amadeu criticou também as exceções sobre a neutralidade da rede e a possibilidade de retirada de conteúdos pelos provedores sem ordem judicial. "Tem que deixar claro os pontos em que a neutralidade da rede pode ser quebrada", disse. "O decreto não pode servir de desculpa para que as teles não obedeçam a neutralidade", concordou o representante do Instituto de Defesa do Consumidor, Guilherme Varella.

Apesar das críticas, tanto Amadeu quanto Varella salientaram a importância do projeto. "Mesmo assim, se for aprovado desse jeito, teremos o melhor projeto de internet no mundo", afirmou Amadeu. "O Marco Civil equilibra direitos de uma forma muito plena e traz um modelo de cultura de participação na elaboração de políticas", disse Varella.

"Pode ter alguma pegadinha no texto? Pode. Mas, no geral, a minha posição pessoal é que se ficarmos indo atrás do ótimo talvez nunca alcancemos o bom. Pode ser usado como tática para protelar a aprovação", disse Antonio Moreiras, representante do Comitê Gestor da Internet no evento. "Temos que trabalhar agora pela aprovação", disse.

O publicitário João Carlos Caribé, principal responsável pelo projeto "Mega Não", que lutou contra a aprovação do projeto do deputado Eduardo Azeredo, afirma que o Marco Civil acertou em não abordar crimes cibernéticos no texto. "Somente 0,44% da internet é cibercrime. O Marco Civil da Internet faz menção aos restantes 99,56%", disse.

;

Links
.
.
Vídeo


Últimas Notícias




Sérgio Moro converte prisão de Palocci em preventiva, sem prazo para soltura


William Dib é indicado por Temer para diretoria da ANVISA


Ministro do STF, Marco Aurélio, manda desbloquear contas de Marcelo Odebrecht


MEC divulga lista de instituições de ensino que implantarão cursos de medicina


Gleisi Hoffmann e Paulo Bernardo viram réus na Lava Jato


Sérgio Gomes, o "Sombra" morre em São Paulo